Living Among What's Left Behind - A criação do livro

 
livros03.jpg

“Embrulhados no choque e no fascínio de conhecer a sua lente frente ao Rio Pasig em Manila, desenhar este livro de forma tão próxima do Mário foi um exercício de rigor, desenho, transparência e estômago.”

Degrau


O estúdio Degrau foi responsável pelo design do livro "Living Among What's Left Behind" do fotógrafo Mário Cruz. Este livro representa a concretização de um objeto impresso único que nos obriga a encarar a realidade vivida em Manila. Através de um design ponderado que obriga à reflexão, a equipa dos Degrau deu vida às 70 fotografias de Mário Cruz num livro que desperta os sentidos e apela à mudança de comportamentos.

Numa tentativa de compreendermos o conceito por detrás deste livro, falámos com a equipa de designers sobre as várias fases do processo - da ideia original, à criação de 500 capas únicas feitas a partir de resíduos.


O CONCEITO DO LIVRO

IMG_5922.jpg

Ao pensar o livro, o nosso principal objetivo foi criar um objecto que marcasse a diferença perante o público, que não passasse apenas por ser mais um livro de fotografia. Sendo este um tema que apela à responsabilidade de todos nós, tornou-se muito importante, enquanto designers, incutir essa responsabilidade no processo de design e de produção do livro.

Nesse sentido, quisemos fazer um livro-objecto que fosse um reforço à narrativa do mesmo e que, enquanto objecto, tivesse um impacto imediato nas pessoas. A narrativa foi pensada para que o leitor tivesse, quase de imediato, contacto com resíduos - presentes na capa e nas imagens de lixo representadas nas primeiras páginas do livro. Tivemos também alguma preocupação em humanizar o discurso, levá-lo até às pessoas. Isto está especialmente presente no discurso principal e com mais destaque nas pequenas “instax”.

printing1.jpg

O livro contém 70 fotografias, entre o preto e branco e as cores, que retratam, de forma crua, a realidade que Mário Cruz encontrou em Manila. O design foi pensado para que todas as fotografias a cores - excepto as de formato instantâneo - estivessem escondidas, apelando à nossa curiosidade em conhecer mais a fundo esta realidade. Por último, quisemos apelar à reflexão que nos é imposta nos textos finais do livro.


PRODUÇÃO DA CAPA

IMG_7321.jpg

Partindo da recolha de plásticos e resíduos das nossas indústrias, depois de um processo longo de experimentação e de adaptações técnicas e estéticas, trabalhámos com o Viva Lab Porto na criação de 500 capas feitas à mão, com recurso a 160kg de lixo plástico. Estas capas únicas ajudam a contextualizar este trabalho, abrindo o discurso para o “pós”, para a acção que vem depois da tomada de consciência.


IMPACTO - WHAT’S LEFT BEHIND?

O que fica depois deste contacto próximo com o trabalho documental de Mário Cruz? Fizemos esta pergunta aos designers do estúdio Degrau, numa tentativa de perceber o impacto que o projecto Living Among What’s Left Behind teve em cada um deles. Os seus testemunhos são um espelho da mudança que queremos alcançar.

João Castro

Ver, pelos olhos do Mário, o resultado dos produtos de consumo, num contexto em que não é tratado, é uma revelação da violação que fazemos nos meios que irrefletidamente perpetuamos ocupar. A limitação no meu consumo passou a assumir uma posição de protesto contra uma forma neoliberal de existir voraz, colocando pressão para consumir a uma escala menos descartável, local e tão sustentável quanto possível.

Ana Areias

O contacto com este projeto reforça a urgência em respeitarmos e preservarmos a natureza e é um alerta para as condições desumanas que continuam a acontecer no silêncio da distância. A denúncia e a exposição deste tipo de realidades, por vezes tão distantes da nossa, deve reafirmar quer a nossa ideia de pertença a este lugar de partilha, quer a responsabilidade das nossas escolhas.

Tiago Campeã

Hoje a informação a que estamos expostos é tão vasta, que faz com que a forma como reagimos seja tendencialmente passiva. No meio de tantas imagens consumidas, são poucas as que têm o poder para nos fazer refletir ou levar a uma ação.

Embora seja uma realidade muito distante da tua, a raíz do problema é exatamente a mesma e começa em ti, nos teus hábitos, nas tuas decisões. Ter consciência de que um problema ambiental e social existe já não chega.

Raquel Rei

Mais do que uma questão ambiental, este trabalho aborda uma questão social fulminante, que nos aponta um caminho, um futuro em modo cíclico, em que a população humana é escrava das suas próprias práticas. Perceber que aquelas pessoas são prisioneiras de um sistema de consumo irresponsável e completamente desajustado à realidade é chocante. É importante que cada um pense nas suas escolhas do dia-a-dia, mas é urgente exigir ação política.

-

Podes ver os vídeos com os respetivos testemunhos através da nossa página de Facebook.