Delayed Gratification - Notícias que chegam sem pressa

 

A Delayed Gratification, tal como o Manifesto, apoia uma narrativa lenta mas ponderada. Assim que abrimos a revista encontramos logo um pequeno editorial, que nos explica, brevemente, a importância do slow journalism para a compreensão real das notícias e do mundo em que vivemos.

Today’s ultra-fast news cycle rates being first above being right. It gives us the beginning of stories but rarely their end. It promotes knee jerk reactions and clickbait journalism over context and perspective. It lends significance to social media nonsense, extreme opinions and celebrity fluff.”

Seguindo esta ideia, a Delayed Gratification chega até nós com um atraso propositado. A revista que hoje seguramos não vai falar-nos sobre o atentado que ocorreu na semana passada, perto do parlamento britânico, haverá tempo para isso mais tarde. O que vai preencher as páginas que folheamos são os acontecimentos referentes ao último trimestre de 2016. Da morte do Leonard Cohen, ao desmantelamento da selva de Calais, do choque das eleições americanas aos protestos contra o Dakota Access Pipeline. A ideia pode parecer estranha, mas esta espaçamento temporal dá tempo aos acontecimentos de se desenvolveram e permite aos jornalistas analisarem os eventos sem a pressa do momento presente. 

 
 

Um dos artigos da Delayed Gratification que retrata de forma exemplar esta ideia é o “Against the tide”. Nesta entrevista, o fotógrafo documental Vlad Sokhin fala sobre a sua viagem até à nação remota de Tokelau, onde retratou o impacto que o aquecimento global tem no quotidiano dos seus habitantes.

“I have been documenting the impact of climate change on Pacific islands for four years. I have seen villages destroyed by cyclones, coral reefs bleached beyond recognition and economies destroyed by falling fish stocks, but Tokelau is a rare positive story. It is a great and important example of how people manage their limited land and resources for the common good. I was happy I was able to capture that.”

Ler sobre assuntos que já passaram de validade para as televisões e para os jornais diários ajuda-nos a perceber que as pessoas por trás das notícias e dos eventos não se extinguem depois de saírem do nosso feed de notícias. Esta é possivelmente uma das principais razões porque a Delayed Gratification é das publicações de que mais gostamos, por nos fazer sentir que há acontecimentos que merecem mais do que meros cinco minutos de fama.

A revista está disponível no nosso quiosque e na loja online.