A minha pilha é a maior - Ana Rita Ramos

 
Fine Alchemy 3.jpg

Quem é a Ana?

A Ana não tem nada de Ana sem a Rita (para quem não sabe, chamo-me Ana Rita Ramos)! Ela nasceu num dos dias mais quentes em pleno Verão de 1990, de uma forma muito inesperada. Talvez tenha sido por causa do calor da situação! Desde pequena, e muito devido à influência constante dos pais, manteve o gosto pelo desenho, enveredando mais tarde pelo Design em plena época escolar. Apesar de ver o Design como um grande universo de conhecimento, ficou-se pelo pequeno planeta do Design de Interiores. Mas, com o tempo, tudo muda, e com o tempo ela começou a nutrir um grande interesse por muitas outras áreas... ou talvez começou a conhecer-se melhor! Fotografia, redes sociais, escrita, design de conteúdos visuais... passaram de hobbies a funções no dia a dia frenético de uma freelancer. Concluindo? A Ana é feita de muitas coisas, mas sem esquecer de mencionar a ambição, o amor e a vontade contínua de aprender com tudo o que a rodeia.

 

Fala-nos um pouco sobre a Fine Alchemy, a tua plataforma online, e sobre como surgiu a rubrica “M...For Magazines”.

O Fine Alchemy, ainda que tenha surgido há poucos meses, é um projeto que está a ser pensado há cerca de um, dois anos. Sempre tive dentro de mim uma grande vontade de ter algo só meu. Não digo um gabinete ou uma marca, mas sim um espaço onde pudesse falar de tudo aquilo que gosto ou daquilo que sinto! 

Anos atrás, uma professora que me acompanhou durante 3 anos disse-me: "Tu tens demasiadas ideias na tua cabeça! Como queres ter boa nota, se queres falar de tudo ao mesmo tempo? Tenta escrever mais, tenta meter essas ideias todas no papel. Tens de te libertar mentalmente para poderes ter um pensamento mais claro." Eu tentei seguir o conselho, mas o gosto pela escrita só surgiu mesmo quando realizei a minha tese! Esse momento foi "o tal" que despertou em mim o verdadeiro gosto por escrever. 

O Fine Alchemy surge precisamente deste misto de gosto e de vontade, mas também da necessidade de me pôr à prova. Eu quero que o Fine Alchemy cresça e que me desafie diariamente a ser criativa, tanto na escrita, como nos conteúdos visuais. Não só é uma ambição, como um desafio! Mas resumidamente, o Fine Alchemy é uma nova plataforma online onde encontrarás uma voz delicada (fine) e uma alquimia (alchemy) focada em moda, arte e lifestyle. 

Nunca quis que o Fine Alchemy fosse um simples blogue de moda. O meu objectivo sempre foi criar uma plataforma multifacetada e dedicada a vários temas que, obviamente, rondam aquilo que eu gosto, leio, vejo, etc.. E uma dessas coisas é revistas! Como tenho comprado 2 revistas por mês (a minha tentativa de só comprar 1 falhou!), isso faz-me pensar em novos temas para abordar no site, mas também me faz sentir que certas revistas merecem ser destacadas! As redes sociais estão cheias de fotografias com revistas a servir de acessório. Eu quis contrariar exatamente isso, e dar-lhes conteúdo e destaque. E daí surge o "M... for Magazines", uma rubrica onde destaco uma revista e crio igualmente um cenário fotográfico para ela. Também criei esta rubrica porque sinto que é algo que não é assim tão falado! E para mim, que gosto de ler, gostava que houvessem mais sites dedicados a reviews deste género.

 

Fine Alchemy 2.JPG

Há quem acredite que as publicações impressas têm os dias contados, mas a verdade é que o papel e o mundo digital conseguiram complementar-se e hoje em dia há cada vez mais escritores e designers a aproveitar o melhor dos dois mundos.

Eu tenho lido muitas versão de respostas para esta pergunta. Inclusivamente, estive em várias conferências onde se levantou este dilema da publicação impressa vs mundo digital. O que concluo é que nunca deixarão de existir publicações impressas, como também nunca deixará de existir o mundo digital. A solução será que ambos têm de se complementar! 

A publicação impressa poderá ser quase um objecto de culto, colecionável e que até pode passar de geração em geração. É quase como um marco físico de uma época! Mas também é algo táctil, algo que nos faz pousar os pés na terra e tirar tempo para desfrutar de um momento dedicado exclusivamente ao pensamento e ao sonho. E com isto acho que nada substitui o cheiro a um livro ou revista novinhos em folha ou o som das páginas a passar pelos nossos dedos! Além disso, desde há dois anos, tenho visto cada vez mais publicações. Houve claramente um interesse global em dedicar tempo a criar algo bonito e bem feito sobre uma lista infindável de temas possíveis! 

Já o mundo digital é um mundo acelerado e muito presente nas nossas vidas. Ele complementa a publicação impressa, dando-nos mais insights e mais informações dentro dos temas retratados no seu interior! Newsletters, pequenos artigos, posts... tudo isso salta à nossa frente porque metemos um like ou subscreveremos aquele livro ou revista que lemos! Aliás, tenho visto revistas que têm códigos nas suas páginas através dos quais poderemos aceder a mais informações na Internet! Além disso, o mundo digital não tem uma idade, está sempre a ser atualizado e consequentemente a atualizar-nos.

Acho sinceramente que uma publicação impressa é forte por si só como objecto e como leitura, mas, aliado ao mundo digital, ganha um tamanho e presença totalmente diferente! Logo, acho que o lado digital intensificou o valor da publicação de alguma forma!

 

Quais são as tuas 5 publicações favoritas?

THE GENTLEWOMAN

Tenho comprado esta revista desde que fui a Londres no ano passado! Já a conhecia, mas na altura ainda não a encontrava com facilidade. E desde aí tenho comprado todos os números! Gosto do facto de ser uma revista feita de uma mulher para mulheres e sobre mulheres! É uma revista com a qual estou sempre a aprender e a conhecer novas personalidades, além de ter editoriais muito inteligentes e caricatos! 

 

RIKA MAGAZINE

Nunca tinha visto ou ouvido falar desta revista até há meio ano atrás! Mas desde que a comprei, simplesmente fiquei fascinada (já estou ansiosa por comprar a que saiu recentemente)! Além de ser um objecto muitíssimo bem feito a nível gráfico, é uma revista mais alternativa, que toca em temas como a moda, mas com ênfase na arte. Além disso, os editoriais são claramente mais poéticos e artísticos comparados com outras revistas do mundo da moda.

 

KINFOLK

Admito, não compro uma Kinfolk há um ano! Gosto muito da revista e inclusivamente tenho um livro da mesma editora, mas é uma revista que a cada número tem um tema diferente e para mim existem temas que não despertam tanto interesse como outros. Mas gosto de todo o universo Kinfolk, desde a revista ao gabinete, adoro sobretudo o facto de ser uma revista muitíssimo bem feita que traz consigo um gostinho nórdico! Ela faz-nos querer tirar um tempinho para um pouco de slow living!

 

ROMANCE JOURNAL

Esta publicação é bem recente para mim! Um dia andava em busca de inspiração e fui a um dos meus sites favoritos, que por acaso é do gabinete Ro&Co. Para minha surpresa vi que eles iam lançar uma revista! E fiquei logo atenta a ver quando chegava a Portugal. Sabes quando vês algo e dizes "isto é mesmo a cara daquele"? Eu senti isto com a Romance Journal, é precisamente a cara do gabinete! Além de ser uma delícia para os amantes de design gráfico, é tão feminina e suave... Simplesmente adorei! Tanto que não resisti a escrever um M for Magazines inteiramente dedicado a esta revista!

 

UNCONDITIONAL

Já seguia a publicação há algum tempo nas redes sociais, mas só recentemente é que comprei um exemplar! Novamente, é uma revista inteiramente dedicada ao universo feminino, mas apesar de se repetir o tema, adota uma versão mais simplista e minimal! É uma revista mais visual e tem uns editoriais muitíssimo bonitos, onde transmite muito a beleza de uma mulher, tal como ela é.

 

Se fosses editora e tivesses recursos infinitos, como seria a tua publicação ideal?

Há pouco disse que não tenho ambição de ter um gabinete ou uma marca, mas um dos meus pequenos desejos íntimos é o de publicar uma revista! Eu sei que temos cada vez mais revistas nas bancas e não, não há mais nenhuma forma de ser original, mas adorava um dia chegar a esse patamar da minha vida! Se chegasse a esse ponto e tivesse recursos infintos, bem... perdia a cabeça (estou a brincar)! Certamente essa publicação seria dedicada a vários temas, mas dentro do mundo feminino! Apostaria em editoriais onde entrassem fotógrafos, designers, stylists, maquilhadores, jornalistas... de sangue novo e que (atualmente) são sempre postos de parte! Gostava que a revista tivesse alguma quimera e poesia, mas também arte e amor, tanto nas imagens como nas palavras. Mas sempre sempre... imagens e palavras com a mesma medida!

 

Fotografias de Telmo Silva cedidas pela Ana Rita Ramos